A aula de step se tornou bastante popular na década de 1990. A modalidade foi criada por Gin Miller, que era rofessora e para se recuperar de uma lesão começou a fazer exercícios subindo e descendo de um degrau, por recomendação de seu fisioterapeuta. Achando o exercício entediante, colocou música e logo percebeu o excelente exercício cardiovascular que estava fazendo. Levou a ideia para a academia que trabalhava, onde foi muito bem aceita, logo a Reebok se interessou em fabricar o degrau (step), em seguida montou uma equipe de profissionais que rodou os Estados Unidos ensinado a nova modalidade para outros professores. Resumidamente, foi assim que nasceu a aula de step.

A modalidade original era baseada nas diretrizes da Reebok University, e existia uma grande preocupação para que os movimentos fossem simples e fáceis de seguir, uma vez que muitas pessoas haviam desistido das aulas de ginástica aeróbica pela complexidade dos seus movimentos. Embora diversos cuidados acerca da aula de step tenham sido tomados, incluindo aí estudos científicos, afim de tornar a aula mais segura e eficaz, com o passar do tempo a aula de step ganhou fama de difícil, complicada e pior foi diretamente relacionada com lesões, principalmente nos joelhos.

Com essa breve explicação sobre a origem e a evolução da aula de step fica claro que em muitos lugares a modalidade foi desvirtuada, causando então essa imagem ruim e levando essa aula a quase desaparecer da grade de horários da academia. Relacionei aqui alguns mitos e verdades sobre a aula de step para acabar de vez com as dúvidades sobre essa modalidade.

aula de step

Aula de step: mitos e verdades

Aula de Step causa lesões: MITO

Uma aula de step bem conduzida, por um rofissional que conheça as características da aula de step, que envolvem os movimentos, a música e a altura do degrau, não causa lesões.

Aula de Step ajuda a emagrecer: VERDADE 

Quando bem conduzida e adequada ao nível de condicionamento, principalmente no que diz respeito à coordenação motora do aluno, a aula de step é uma excelente forma de queimar calorias e ajudar no emagrecimento.

Quanto mais rápida a música melhor é a aula: MITO

Acelerar a música não torna a aula melhor, nem tão pouco mais difícil. Apenas faz com que os movimentos sejam executados de forma incompleta e sem segurança. Lembra das lesões, um dos fatores que podem acarretar lesões é o uso de música muito rápidas.

Muitos alunos acham as aulas com música mais lenta entediantes, uma forma de tornar essas aulas mais desafiadoras é através da combinação dos movimentos e o uso dos braços na coreografia. O recomendado pela Rebook Univesity é usar uma música entre 128 e 134 BPM, embora grande parte dos professores insista em usar músicas acima dos 140 BPM.

Aula de Step é muito difícil: MITO

Desde quando subir e descer degraus é difícil? O que temos são bons e maus profissionais ministrando aulas de step. Definitivamente o bom profissional não é aquele que cria uma coreografia complexa, repleta de giros e que só pode ser acompanhada por alunos experientes. O bom profissional é aquele capaz de adequar sua aula ao nível dos alunos que estão participando dela e através de progressões levá-los a um patamar acima. Lembrando que isso não acontece em uma aula apenas, é um processo.

Aula de step faz bem para o coração: VERDADE

A aula de step é um excelente exercício cardiovascular. Uma aula bem conduzida, sem interrupções, é capaz de elevar a frequência cardíaca melhorando o condicionamneto físico.

Aula de Step previne varizes: VERDADE

As varizes são causadas por um mal funcionamento nas válvulas que ajudam o sangue a retornar ao coração. A musculatura das panturrilhas é fundamental para auxíliar o bombeamento do sangue de volta ao coração. No step, o movimento de subir e descer do degrau, fortalece essa musculatura, favorecendo a melhora da circulação. Se você já sofre com varizes, consulte seu médico antes de iniciar esse tipo de exercício.

Quanto mais alto o step, melhor: MITO

Um step mais alto, significa um esforço maior, o que fará com que seu coração trabalhe mais. Pode ser uma boa forma de aumentar o nível de difículdade da aula e melhorar o condicionamneto de pessoas que já são bem condicionadas, mas essa altura tem limite. Ao mesmo tempo que um degrau maior representa um esforço maior para o coração, é também maior o esforço das articulações envolvidas no movimento de subir e descer, principalmente do joelho.

Nos primórdios da aula de step o degrau chegava a ter 30cm, hoje após inúmeros estudos, recomenda-se que não ultrapasse os 20cm.